Páginas

terça-feira, 13 de abril de 2010

A vida se faz,


Partes de uma confissão,


Luz. A primeira respiração terrena. O choro. E a vida aqui fora se faz diante de um olhar inocente. Tudo o que há de mais belo e horrível se infiltra aos poucos ali pelos poros e passa pelo corpo todo. E para ali na mente em forma de pensamentos. Na verdade, existem muitos fatos que passam despercebidos, seja por vontade própria ou não.
Há aqueles que tratam logo de expulsar tudo o que há de mais triste em si e também por mais absurdo que pareça há aqueles que expulsam o que há de mais feliz. Esses de certa forma gostam de cultivar o amargo sem uma explicação coerente, talvez já tenham se esquecido do outro lado da moeda.
Às vezes para alguns é difícil compreender o amargo que algumas pessoas carregam, mas para estas que possuem é mais difícil ainda compreender a si. Podem existir diversos fatores para uma pessoa escolher conscientemente (ou não) ser assim, não poderia exemplificar todos porque destes desconheço.
Esses fatores podem ser: frustrações, traumas, decepções vivenciais ou simplesmente por pura defesa. Na verdade, a defesa justifica todos estes anteriores. A simples e pura defesa contrária de quem já está fadado e prefere de certo modo se esconder do mundo e das pessoas. Esconder-se por não saber expressar quais são suas necessidades.
Seja por lágrimas ou sorrisos, tristezas ou felicidades o bom mesmo é perceber que a vida é voluntária a nós, nós na maioria das vezes é que não somos voluntários a ela. Fato.

2 comentários:

Carmen Martinez, disse...

estou comovida, por tantas coisas que não posso enumerar. preciso de um colo, o seu, porque a vida me está cansando.

Vinícius Remer disse...

Preciso da dor para escrever. Preciso de quase todas as coisas da vida para escrever, a única que não preciso é me compreender.