Páginas

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Estes olhos,






Fiz-me desatenta, talvez propositalmente, apenas para pode observar seus olhos sem que de fato percebesse as horas que passei desenhando cada detalhe seu. Mas que bobagem! Talvez seus olhos também me observassem e nem me dei conta da realidade o qual participávamos. 

Nesse jogo de olhares não há vencedores declarados até o momento em que nessa vastidão qualquer um de nós nos perca e direcione nossa atenção para qualquer outra coisa que seja. E talvez esse jogo seja uma completa ilusão como um céu que nunca existiu em um mundo totalmente abandonado.

Amanheci em outros dezenove ares de setembro.

E você estava entre meus dentes e numa cor viva dentro dos meus olhos. Mais de dois mil e quinhentos dias me separavam de sentir uma fração daquilo que sempre me dizia. Mais de dois mil e quinhentos dias me separavam daquilo que sempre desejei.

Enquanto você falava fiz-me silenciosa, apenas sorri. Talvez quisesse me entrelaçar em suas palavras e me perder totalmente em seu castanho oblíquo. Escondi-me sem êxito, porque todo e qualquer silêncio meu é um grito de liberdade em sua mente. É um canto. Uma declaração quase que inofensiva. Mesmo que eu não queira, falo, falo, falo diretamente nos seus olhos e sorrio por dentro.

Entardecemos aos poucos, e o tempo correu em uma velocidade quase que inalcançável. De tudo que desejei, pouco fiz. Enganei-me em seus degraus. E inevitavelmente nos despedimos em um pequeno adeus.





5 comentários:

Petrus disse...

Que coisa mais bonita.
Você está conseguindo falar aquilo que sentimos e não sabemos explicar.
Nostálgico, bem elaborado, denso e sutil ao mesmo tempo.

Gostoso de ler.

Agradável como um vento na janela.

pinheironatalia disse...

Das ilusões cotidianas criei minha (i)realidade.
(Estamos morrendo de amor.)

Vital disse...

será mais triste quando há um pequeno adeus?

minha vida anda assim em tudo tão sem ponto final...


um beijo, prazer conhecer o blog, ler e ser lido.

Mariana Khalil disse...

Um pequeno adeus, na verdade, pode ter ângulos diferentes. Pode ser breve, ainda mais quando se é pequeno.


Grata pelas visitas.


Beijos.

Ana Oliveira disse...

Você escreve muitoo bem, seu blog se destacou pra mim entre outro, estou seguindo. Beijos.